E AGORA, QUAL PROFISSÃO ESCOLHER?


Profissão

 Na hora de escolher a carreira, é bom se informar, planejar a longo prazo e não temer uma guinada no futuro  
        
Assustados, confusos, indecisos. É assim que muitos jovens se sentem na hora de escolher sua profissão, às vésperas das inscrições para os vestibulares. Aquela certeza desde pequeno do que se vai ser quando crescer não rolou. Surge o medo de não dar certo. E a angústia aperta mais diante do variado leque de alternativas de curso superior. São mais de 150 e, a cada dia, surgem novas opções de carreiras e de oportunidades de trabalho. O que fazer? Esse turbilhão de dúvidas não deve ser encarado como um problema grave. Especialistas garantem que a insegurança diante da escolha profissional é um sintoma saudável e produtivo. Com vários caminhos abertos à sua frente, o indeciso tem maiores chances de escolher melhor do que quem apóia sua certeza em fantasias. Por isso, recomenda-se que essa fase da vida seja enfrentada com tranqüilidade pelos jovens e sua família. Afinal, toda decisão pressupõe incertezas e uma dose de risco. E esse é o primeiro grande desafio do jovem diante do novo e do desconhecido.
Uma forma de diminuir a pressão é saber que essa escolha profissional não é necessariamente definitiva. Novos caminhos vão surgir durante a faculdade, o mercado de trabalho pode exigir adaptações ou uma grande guinada na carreira. "A faculdade deve ser encarada como a escolha de uma plataforma, um alicerce para a construção da vida profissional", afirma Rubens Gimael, especialista em desenvolvimento de carreira da NeoConsulting. É comum encontrar engenheiros trabalhando na área de finanças, arquitetos se dedicando à área comercial, economistas cuidando de marketing. A mudança não significa fracasso nem frustração, mas sim a aceitação de desafios que a vida vai trazendo. Escolher uma profissão representa esboçar um projeto de vida, questionar valores, as habilidades, o que se gosta de fazer, a qualidade de vida que se pretende ter. E esse momento de reflexão pode render bem mais quando é compartilhado com a família. Mas, por excesso de liberalismo, muitos pais se omitem com a desculpa de não querer interferir na vida dos filhos.
Um passo importante para o jovem indeciso é investigar, reunindo informações sobre as profissões e cursos oferecidos pelas faculdades. Há ainda a opção de buscar apoio em empresas de orientação vocacional. As transformações econômicas que atingiram o mundo de forma global impulsionaram novas e promissoras carreiras. São as profissões que envolvem inovações tecnológicas e áreas de inteligência e conhecimento. As carreiras tradicionais, como medicina, direito, engenharia, letras e administração, ainda são as mais procuradas nos vestibulares. Elas se renovaram e ganharam áreas de atuação que prometem sucesso e bons rendimentos, como o campo de biotecnologia para os advogados e o de meio ambiente para engenheiros. É bom também ficar antenado com o crescimento dos setores de serviços, lazer e entretenimento, meio ambiente e projetos sociais. Eles abriram oportunidades atraentes de trabalho para os profissionais com formação em biologia e educação física, que andavam em baixa, e valorizaram cursos que antes eram considerados de segunda linha, como relações internacionais, turismo e hotelaria.
Em meio a tantas opções, o estudante deve ficar atento a algumas armadilhas. A primeira delas é acreditar que cursar uma boa faculdade vai livrá-lo do desemprego e assegurar o sucesso profissional. Uma boa escola pode até abrir portas no início da carreira, mas vale lembrar que existem muitos profissionais em altos cargos nas empresas que não vieram de cursos de primeira linha. Para os especialistas em recursos humanos, o sucesso numa profissão depende de 30% de conhecimento e 70% de atitude. Da mesma forma, decidir-se por uma carreira apenas porque ela está em alta no mercado normalmente é o caminho mais rápido para o abandono de uma profissão. "Quem não leva em conta sua
afinidade com uma carreira ao fazer uma escolha fatalmente desistirá dela quando a oferta de trabalho cair", afirma a psicóloga Renata Mello, da equipe de orientação profissional do Centro de Integração Empresa Escola (CIEE), de São Paulo. O cuidado deve ser redobrado em carreiras com um campo de atuação restrito e que não possibilitam ao estudante mudar facilmente de área de trabalho, como oceanografia, odontologia e telecomunicações. No fim da década de 90, a expectativa de um mercado de trabalho promissor na área de telecomunicações levou à ampliação de vários cursos, como engenharia de telecomunicações, que agora não conseguem preencher todas as vagas. Há trabalho para profissionais de nível técnico e de manutenção, mas poucas vagas para cargos de direção e gerência. Ao mesmo tempo, o jovem que já se decidiu por uma carreira não deve desistir dela por causa do temor do desemprego – fantasma que ronda todas as profissões. "Quem faz a escolha certa tem mais autoconfiança, sobressai e chega ao sucesso", diz Renata Mello, do CIEE.
---------------------------------------------------------------------------------------------------

As 12 principais dúvidas sobre a escolha da profissão

Por Marla Rodrigues
 
Dúvida sobre profissão atinge 80% dos jovens
Mesmo com todas as dicas ainda está difícil decidir pelo curso que vai fazer sua cabeça pelos próximos 4 ou 5 anos? Quem sabe se fizermos uma espécie de entrevista ping-pong com um leitor imaginário fique mais fácil identificar suas maiores dúvidas - e encontrar uma resposta para elas. Abaixo seguem as 12 principais dúvidas que tomam o sono de 8 entre 10 estudantes do Ensino Médio.
1 - Como faço pra me decidir sobre qual faculdade cursar?
Primeiramente não existe uma fórmula mágica, isso é uma questão de autoconhecimento e pesquisa. Você deve pensar que, a princípio, é esta profissão que vai lhe sustentar para o resto da vida (claro que você poderá mudar o rumo de sua vida profissional ao longo do tempo, mas este é o primeiro ponto a ser analisado). É uma espécie de aposta no futuro, onde devem ser pesados seus interesses nesta carreira, se as atividades desta profissão vão lhe dar satisfação e se se enquadram no seu estilo de vida. Por exemplo, não dá pra escolher o Direito se você gosta mesmo é de praticar exercícios e esportes radicais... O ideal é se inteirar sobre as diferentes carreiras e o que elas esperam deste profissional. Você poderá obter bastante informação em nosso Guia de Profissões e também em Profissões do Futuro.
2 - Será que a carreira que eu escolhi vai me trazer retorno no futuro?
Qual retorno você procura? Financeiro? Reconhecimento? Fama? Profissionais afirmam que a melhor escolha é a escolha que te faz feliz e que na maioria das vezes está associada ao prazer de se fazer o que gosta. Este é o maior incentivo para continuar se aperfeiçoando, se atualizando e estudando. O profissional que tem reconhecimento e retorno financeiro é aquele que consegue enxergar novas oportunidades e se destacar dentre os outros e para isso é preciso ficar atento às chances de estágio e emprego.
3 - Tenho algumas opções de curso em mente. Opto por aquela que me identifico ou por aquela outra que trará maior retorno financeiro?
A resposta da pergunta anterior já pode dar uma norteada nesses pensamentos. Qual o padrão de vida que você deseja levar na sua vida adulta? Simples ou luxuosa? Isso deve ser pesado se o aspecto financeiro é muito importante para você, no entanto, especialistas recomendam que a escolha por um curso não seja feita com base na moda ou no momento atual do mercado de trabalho, pois este está em constante mudança e aquela carreira que você gostava, e que decidiu abandonar, pode ser uma boa opção para daqui 5 ou 10 anos.
4 - Me interesso por diversas áreas do conhecimento. Como me decidir?
Conhecendo o dia a dia do profissional. As atividades que ele exerce em seu cotidiano se encaixam em seu estilo de vida? Isto lhe faria feliz e realizado como profissional? É preciso pesar os prós e os contras. Por exemplo: se você adora ajudar as pessoas, mas tem medo de sangue, Medicina não é o caminho. Para conhecer melhor as profissões e as atividades realizadas, consulte nosso Guia de Profissões. A seção Vida de Profissional também é uma boa para você ouvir da boca do próprio profissional aquilo que ele vê de melhor e de pior na carreira que escolheu.
5 – Nenhuma área me atrai. Como posso escolher?
Não conseguir identificar o que mais gosta não significa necessariamente não ter interesse por nenhuma área do conhecimento. Por esta razão o trabalho do estudante em se descobrir será maior. Aqueles velhos testes psicológicos podem te ajudar a direcionar seus pensamentos. Alguns deles você pode encontrar na nossa seção Orientação Vocacional.
6 – Como posso ter certeza de que fiz a escolha certa?
Não existe decisão 100% certa, existe decisão acertada para o momento. Isso não quer dizer que a sua escolha deva ser feita como um tiro no escuro. Quanto mais você se conhecer e conhecer a profissão e as atividades que envolvem essa carreira, mais chances você tem de escolher um bom caminho. Na nossa seção Diário de Universitário você pode ter ideia de como são alguns cursos de faculdades reconhecidas internacionalmente.
7 – E se eu tomar a decisão errada?
Errar é natural e nenhuma escolha é definitiva. Optar por uma profissão agora não significa que ela vá fazer parte da sua realidade para o resto de sua vida. O importante é não pensar que essa vai ser a única e última decisão que você vai tomar. Pessoas mudam de opinião e você também pode entrar nessa estatística. O importante é descobrir por que você acha que não tomou a decisão certa. O curso não é o que você pensava? A universidade não lhe agrada? A saudade da família – que pode estar longe – está pesando muito? Se o problema for mesmo não se identificar com a profissão, o ideal é desistir e tentar encontrar outro curso que te deixe realizado. Para saber lidar melhor com essa situação não deixe de ver nosso artigo sobre Mudança de Curso.
8 – Creio que não tenho habilidade para o curso que escolhi. Que devo fazer?
Antes de tudo: você tem certeza do que está dizendo? Habilidades são desenvolvidas ao longo do curso e ao longo da vida. Quer estudar música e não é muito bom com instrumentos ou canto? Quer fazer design, mas não leva jeito para desenhar? Quer ser jornalista e tem dificuldade em escrever? Procure se avaliar para encontrar essas respostas antes de desistir do curso que sempre sonhou em fazer. Dê uma olhada em nosso artigo sobre Habilidades Específicas.
9 – E se eu quiser fazer dois cursos ao mesmo tempo? Vale a pena?

Vale a pena se os dois cursos se complementarem, como Administração e Hotelaria ou Jornalismo e Economia, por exemplo. Possuir duas graduações é um diferencial no currículo que pode abrir portas no mercado de trabalho. Ou fechá-las, já que um contratador também pode ver dois cursos muito diferentes como um ponto negativo: isto pode indicar que você tem dificuldade para tomar decisões. É importante lembrar que ao se dedicar a duas faculdades você terá o dobro do trabalho e metade do tempo, o que pode prejudicar o aproveitamento dos cursos. Além disso, se ocupando em período integral você não terá tempo para fazer um estágio, que é bastante valorizado pelo mercado de trabalho. Uma opção é fazer um curso que permita que você se especialize em outra área, como se graduar em História e fazer pós em História da Arte. Saiba mais sobre os cursos de pós-graduação clicando aqui.
10 – Meus pais acreditam que eu deva seguir uma carreira quando na verdade quero outra completamente diferente. O que fazer?
Escute os argumentos de seus pais. Se depois de ouvir tudo o que eles têm pra dizer você continuar acreditando que o seu caminho é outro, faça prevalecer a sua vontade. Pode parecer cômodo seguir a tradição da família escolhendo a mesma profissão do pai e trabalhar em seu escritório/consultório, mas se você não for feliz, nada disso terá valor.
11 – O que devo considerar para escolher a universidade onde estudar?
Pra começar você deve se certificar de que o curso é autorizado pelo Ministério da Educação. Para isso, consulte o site do MEC. Depois disso é bom conferir a qualidade do ensino desta faculdade, que é aferida pela nota do Enade (faça uma consulta). Se você optar por uma universidade particular, deve se inteirar sobre o preço das mensalidades e a possibilidade de fazer um financiamento estudantil ou de conseguir uma bolsa de estudos. A localização da instituição também deve ser levada em conta, já que é preciso calcular o tempo que se gastará para chegar e ainda os custos com gasolina e transporte público. Quer mais dicas para escolher uma faculdade sob medida? Então clique aqui.
12 – Será que consigo passar no vestibular para o curso que quero?
Nesta fase da vida pode parecer tentador desistir do que é difícil para garantir aquilo que é mais fácil. De que adianta prestar para Biomedicina – porque a concorrência é menor – se o que você quer mesmo é fazer Medicina? Será que você não vai se sentir frustrado daqui alguns anos? Às vezes vale a pena se preparar por mais tempo com a ajuda de um cursinho do que desistir da faculdade antes mesmo de tentar.
Matéria similar em: Veja são Paulo

CLIQUE AQUI E AGENDE SEU
HORÁRIO PARA TERAPIA
A adolescência é o principal momento da vida do ser humano em que há mudanças nas características do corpo, mente e nas emoções. Momento de crise, que muitas vezes deprime, isola, mexe com a estrutura.
Também nessa fase o adolescente precisa de escolhas, que remete a perdas tanto para o si, como também, para os seus pais: perda do Ideal, do "Super Herói", da inocência infantil... e com elas aparecem também  as responsabilidades, que  na maioria das vezes o assusta por não se achar preparado para assumi-las.
É um período muito difícil para todos, e mais estressante ainda para o adolescente quando tem que escolher qual curso universitário quer fazer porque essa será sua profissão. Num momento em que ainda tem muitas dúvidas de tudo, precisa optar agora o que garantirá seu futuro.
A gente só aprende com a vivência, enquanto isso, o ideal é que o adolescente busque pesquisar mesmo, o que mais o atrai e com qual curso se identifica, seguindo os passos sugeridos nas matérias acima.
Importante ressaltar que quando o curso que escolher não estiver de acordo com o que os pais queiram, é um bom momento para um diálogo em família, cada qual expor seus pontos de vistas e assim chegarem  a um ponto em comum, porque o mais importante para todos deve ser a felicidade do adolescente, pois se esse se sentir apoiado, se sentira seguro em sua escolha.

Por outro lado acredito que esse assunto não envolve somente os adolescentes, mas todos nós em geral.

Quantos de nós adultos não nos perguntamos um dia, se escolhemos a profissão certa, ou se ainda estamos perguntando e procurando, se estamos buscando aquela realização que sonhávamos nos tempos de faculdade...
Hoje com a apelação da mídia mostrando sucessos a todo momento, nos sentimos pressionados a sermos " Vencedores", como não somos sempre,  cria em nós uma certa frustração que se não for trabalhada pode gerar depressões e neuroses.
Conversando recentemente com uma pessoa próxima, questionei-a porque não buscar a realização de seu sonho, já que a mesma tinha um dom natural por aquela profissão; ela então me respondeu que infelizmente não podia realizar o que gosta porque tem compromissos já assumidos como por exemplo, a família, e que para realizar esse sonho tem que optar por deixar esses compromissos; então rebati provocando-a se isso não era uma desculpa, se não se estava acovardando diante da situação, PROCRASTINANDO.


Há pessoas que tem muito medo de realizar sonhos por incrível que pareça, e continuam então na frustração de não realizar-los, como uma forma de "compensação".
Acredito também que não é a idade que dificulta nossas escolhas, mas sim a maturidade, a coragem. a atitude para sabermos o que queremos e sermos felizes com essas escolhas e mais importante a tranquilidade de compreender que a qualquer momento poderemos mudar sempre, lembrando o que disse Chico Xavier: " Embora ninguém possa voltar ao passado e fazer um novo começo, qualquer um pode  começar agora e fazer um novo fim!


Comentários