A TUA TRISTEZA RECORRENTE PODE CAUSAR-LHE PROBLEMAS CARDÍACOS, PROCURE AJUDA PROFISSIONAL!.



problemas de saúde


Sentimento de tristeza pode alterar os níveis de opioides relacionados ao estresse no cérebro e aumentar os níveis de proteínas inflamatórias no sangue que estão ligados ao aumento do risco de doenças comórbidas, incluindo doença cardíaca, acidente vascular cerebral e síndrome metabólica, de acordo com um estudo realizado por pesquisadores da Universidade Do Texas Health Science Center em Houston (UTHealth).
Os resultados foram publicados em um recente número de Molecular Psychiatry .
Estudos anteriores mostraram que a depressão maior pode ser um fator que contribui para outras doenças médicas, mas os pesquisadores não sabiam por quê. Uma equipe liderada por Alan Prossin, MBBS , UT Médicos psiquiatra e professor assistente no Departamento de Psiquiatria e Ciências Comportamentais em John P. e Kathrine G. McGovern Medical School, procurou encontrar a resposta.
Quando uma pessoa está sob estresse, os neurotransmissores cerebrais chamados opióides são liberados para reduzir o impacto do estresse, diz o Dr. Prossin, investigador principal do estudo. Mas quando este sistema de resposta ao estresse está desregulado, os neurotransmissores opióides podem ter um impacto negativo sobre o corpo, alterando a resposta do sistema imunológico ao estresse e potencialmente aumentando o risco de outras doenças médicas.
Pesquisas anteriores do Dr. Prossin e colegas descobriram que uma citocina inflamatória chamada interleucina-18 (IL-18), que tem sido associada com doença cardiovascular, é aumentada em pessoas deprimidas.
Os sujeitos da pesquisa, tanto pessoas que sofrem de um transtorno depressivo maior quanto controles saudáveis, foram submetidos a exames de tomografia por emissão de positrões (PET) durante o estudo, começando com uma varredura de linha de base.
No início do estudo, os doentes deprimidos apresentaram mais actividade opi�de (e maior concentra�o de IL-18 no sangue) do que os controlos saud�eis.
Quando solicitado a pensar em algo neutro, a atividade opióide diminuiu nos cérebros de ambos os grupos ea diminuição do opióide foi proporcional a uma diminuição na IL-18 nas mesmas pessoas.


Quando solicitado a se concentrar na tristeza que eles experimentaram durante um evento triste em sua vida, quantidades aumentadas de opióides foram liberados no cérebro e este aumento de opióides foi proporcional ao aumento da concentração de IL-18 no sangue.
"Esses efeitos foram observados durante a tristeza em ambos os grupos, mas foram muito maiores em pessoas com depressão maior em comparação com pessoas não deprimidas, de outra forma saudáveis", diz Prossin.
No grupo deprimido, após tristeza, o nível de IL-18 tinha aumentado, mas não para a concentração de linha de base. Em outras palavras, pensar pensamentos neutros teve um efeito de redução sobre IL-18 que persistiu mesmo depois que as mesmas pessoas foram convidadas a pensar sobre coisas tristes.
"A indução de um estado afetivo neutro melhorou o humor e reduziu a IL-18", diz o Dr. Prossin. "Então, se pudéssemos implementar psicoterapias para melhorar o humor em pessoas deprimidas, então poderíamos normalizar a IL-18 e, a longo prazo, potencialmente reduzir o risco de várias doenças médicas comórbidas".

Os pesquisadores passaram a comparar os níveis de IL-18 a hormônios de estresse mais clássicos, como cortisol e adrenocorticotrópico. Eles não encontraram correlação.
"Esta é potencialmente uma nova via associada a alterações afetivas relacionadas ao estresse que poderiam explicar por que os tratamentos baseados em hormônios clássicos do estresse podem não ser tão eficazes em pessoas deprimidas com alterações de humor relacionadas ao estresse", diz Prossin.
Tatiana Barichello, Ph.D. , Professor assistente de psiquiatria e saúde comportamental da UTHealth, é um dos co-autores do estudo: "As alterações experimentais agudas no estado de humor regulam a função imunológica em relação à neurotransmissão dos opióides centrais: um modelo de interação do SNC-inflamação periférica humana".
O estudo foi financiado por doações do Fundo Rachel Upjohn Clinical Scholars do Comprehensive Depression Center e da Fundação Pritzker.
- Deborah Mann Lake
FONTE: UT Physicians


De acordo com o estudo acima a tristeza constante, ou depressão altera nosso metabolismo gerando condições de desenvolver doenças cardíacas.

O estudo sugere então o acompanhamento terapêutico como uma forma de aumentar os níveis de humor do deprimido e dessa forma equilibrar a citocina inflamatória (IL-18), associada a tipos de doenças do coração.

Concordamos com a orientação uma vez que na Terapia Regressiva, sabemos através de estudos clínicos que a maioria das doenças tem origem emocional, e a tristeza aparece de maneira amiúde nas queixas dos clientes. 

O acompanhamento terapêutico pode ajudar  muito quando voltado para o autoconhecimento e elevação da auto estima do cliente. Porém com a Terapêutica Regressiva vamos além na busca da origem dessa tristeza persistente e recorrente, como também fatos que têm abastecido essa emoção e que geram desconforto  e sofrimento no cliente.  

Ajudamos o cliente a encontrar o fato gerador de tristeza e encontrando, ele consegue ressignificar a situação e se libertar dessa emoção e de possíveis doenças , sejam elas cardíacas ou não.

Comentários